segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

(2004)

(...)
as cores fluidas no silêncio
multiplicam-se como células de um tecido
vivo.
Quero olhar pela janela
e sempre ver isso.
Mesmo num vãozinho
faz sentido.
Todo conjunto
crescendo comigo.

Nenhum comentário: